[Review] Juiz Dredd – Origens

Publicado originalmente entre 2006 e 2007, o arco Origens (escrito por John Wagner e com arte de Carlos Ezquerra) foi feito como uma homenagem aos trinta anos do Juiz Dredd, e também com o objetivo de explicar detalhadamente toda a criação do Sistema Judicial e acontecimentos prévios. [SEM SPOILERS]

Em 2013, após algumas edições da Juiz Dredd Megazine já lançadas, a Mythos anunciou que publicaria o encadernado Juiz Dredd – Origens no Brasil, em um formato de luxo (capa dura), com alguns extras e o arco de 23 capítulos da 2000 AD completo (196 páginas no total).

A sinopse (bem resumida): “Uma encomenda incomum é entregue ao Supremo Tribunal de Justiça, um pacote que forçará Dredd a liderar uma missão dentro da Terra Maldita e penetrar nos mais sombrios recônditos da história dos juízes de Mega-City Um.”

Capa do encadernado lançado pela Mythos, pelo selo Mythos Books.

Basicamente, este encadernado se divide em duas partes. A primeira é uma história curta chamada A Conexão, ilustrada por Kev Walker e com roteiro de John Wagner. Esta história é prévia ao Origens propriamente dito, e serve para estabelecer um detalhe que deve ser de conhecimento dos leitores para que a próxima parte faça sentido: a entrega da misteriosa encomenda.

A arte de Kev Walker é interessante, meio chapada e sombreada, muito parecida com a do Mike Mignola (criador do Hellboy). Apesar de curta (poucas páginas, não ocupa nem 1/3 do encadernado total), esta primeira parte é ótima e levanta diversas questões que são respondidas na história seguinte. Vale lembrar que o próximo encadernado do Dredd que será lançado pela Mythos, chamado Mandroide, possui a arte de Kev Walker em uma parte.

E finalmente a tão esperada segunda parte, que dá o nome ao encadernado, começa. Um esclarecimento que deve ser feito é que esta história não está totalmente situada no passado: na verdade ela se passa no presente do Dredd, que está narrando os acontecimentos do passado (como a Guerra teve início, como ela terminou, como o Sistema Judiciário foi criado, e assim por diante). Com isso, em diversos momentos a narração é interrompida, pois o Dredd está ocupado com algum tipo de problema ou emergência.

Todos os detalhes do roteiro escrito por John Wagner são incríveis. Os cortes são feitos em momentos oportunos, e todos estes momentos acrescentam algo para a história. A narração é feita para os outros juízes (mais novos) que estão acompanhando Dredd na busca do objeto misterioso pela Terra Maldita.

Você não sabe o que acontecerá na página seguinte em momento algum. A arte de Carlos Ezquerra está, como sempre, perfeita. Apesar de muitas pessoas não admirarem, eu gosto do trabalho do Ezquerra e gosto da pessoa que este artista, responsável pela criação do meu personagem favorito, é. As cores são vivas e realísticas, e não possuem defeitos tanto nos desenhos de Walker quanto nos de Ezquerra.

Esta página (desta história), ilustrada por Carlos, mostra como o Juiz Dredd realmente é impiedoso cumprindo a lei.

Tudo relacionado ao universo do Dredd está presente: as bizarrices, os detalhes, as informações essenciais, o clima das narrativas, etc. Um resumo rápido do que é Origens seria dizer que é algo violento e cheio de reviravoltas, que serve como apresentação para novos leitores e como um encadernado obrigatório para os fãs do personagem mais icônico dos quadrinhos ingleses.

A única parte negativa fica por conta da própria Mythos. Este encadernado, contendo 196 páginas, foi lançado com o preço de capa absurdo de R$ 69,90. Apesar da qualidade perfeita do material interno, este preço pode ter afastado diversos leitores, incapazes de adquirir o encadernado graças a fatores econômicos. Alguns errinhos de revisão (que resultam em erros de português) também estão presentes, principalmente com as ‘letras comidas’.

O final deste grandioso arco é excelente, e os extras incluem a galeria de capas das edições originais da 2000 AD e o sketchbook de Carlos Ezquerra. Se incluir os pontos negativos como o preço e os pequenos erros, a nota final é 9,0. Se levar em conta o altíssimo nível das histórias, relevando os mínimos deslizes da editora, o mais justo é dar uma:

Nota final: 10/10

Siga-nos no Twitter!

Curta a página do 2000 AD Brasil no Facebook!

Compre o encadernado Juiz Dredd – Origens (sem precisar pagar o frete) no catálogo da Mythos Editora.

E você? O que achou desta publicação da Mythos? Dê sua opinião nos comentários!

Anúncios

17 pensamentos sobre “[Review] Juiz Dredd – Origens

  1. Pingback: Resenha | Juiz Dredd – Ano Um | Torre de Vigilância

  2. Pingback: Juiz Dredd: origens do Sistema Judicial (parte 1) | Superjurídico

  3. Pingback: Juiz Dredd: origens do Sistema Judicial (parte 1) | Superjurídico

  4. Pingback: [Review] Juiz Dredd – Ano Um | 2000 AD Brasil

  5. Pingback: [Review] Juiz Dredd – Mandroide | 2000 AD Brasil

  6. Pingback: Dia do Dredd: 2014 | 2000 AD Brasil

  7. Pingback: [Review] A Lei de Canon | 2000 AD Brasil

  8. Pingback: Juiz Dredd Origens – O texto de introdução | 2000 AD Brasil

  9. Comprei o meu por 56 reais no Mercado Livre, por incrível que pareça. Veio lacradinha e retirei pessoalmente com o cara, que vende várias outras coisa da Mythos. Achei este um preço bem mais justo que o original.

    Curtido por 1 pessoa

    • Ah! Mas não tem como retirar pessoalmente, tem que ser via correios… Estou me preparando pra fazer um pacotão com a Mythos pra ter um desconto bacana através da livraria do meu irmão, ele ganha um dinheirinho sobre a minha compra e eu consigo um desconto um pouco maior do que a Mythos daria através de depósito bancário, que é de apenas 10% sobre o valor total.

      Curtido por 1 pessoa

  10. Eu quero esse encadernado o mais breve possível. Mas, realmente é um preço muito alto.
    No entanto, acredito que seja justo, pois assim como a JDM custa 11 reais e é um preço justo, acho que a Mythos está cobrando o preço correto, pois, se fosse 59,90 as pessoas ainda achariam caro e se fosse 49,90 muitos duvidariam da qualidade do material por ser edição de luxo e etc. tal.
    Também estou de olho no livro teórico da Mythos “A Arte de Osamu Tezuka”, que custa singelos 99,90 =P
    Minha única crítica à arte final do Exquerra é o colorido computadorizado que ficou meio cor de guache, meio corel-draw e deu um ar um tanto quanto amador e forçado aos quadrinhos. Tirando isso é tudo MUITO bom! E eu quero! =D

    Curtido por 1 pessoa

Comente, punk!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s