Juiz Dredd Origens – O texto de introdução

A Juiz Dredd Megazine, publicada no Brasil pela Mythos, vez ou outra presenteia os leitores com matérias e textos, todos escritos por Pedro Bouça (editor-assistente e tradutor), com curiosidades e diversas outras informações. Porém, algumas vezes a falta de espaço impede que algumas coisas planejadas inicialmente sejam publicadas, como é o exemplo do texto abaixo, que serviria como introdução para o encadernado Juiz Dredd – Origens.

Para mais informações sobre o encadernado, recomendo a leitura do meu review de Juiz Dredd – Origens, que pode ser lido clicando aqui.

Capa de Juiz Dredd – Origens

Os textos publicados até o momento na Megazine são muito bem escritos, e servem tanto para situar o leitor novato quanto para acrescentar conhecimento ao leitor que já conhece o assunto abordado. Recentemente, no grupo do Facebook chamado Juiz Dredd Brasil, Pedro divulgou o texto que não foi publicado por falta de espaço no encadernado.

Este texto serviria como introdução, e provavelmente as críticas ao encadernado relacionadas à sinopse muito pouco explicativa e falta de informações adicionais seriam nulas caso o texto estivesse na publicação. Confira abaixo: (as imagens foram acrescentadas por mim, e não sei se alguma imagem estava presente nos planos originais)

Quando foi criado, em 1977, ninguém imaginava que o Juiz Dredd duraria muito tempo. Naquela época, os quadrinhos tradicionais britânicos enfrentavam uma profunda crise, que praticamente os destruiria. Dredd, porém, era um sobrevivente e tanto a série quanto a revista em que é publicada, a famosa 2000 AD, existem até hoje.

No entanto, isto significa que nos seus primeiros anos a série não se deu ao trabalho de estabelecer detalhadamente o personagem e o seu universo. O Juiz Dredd era um superpolicial com autoridade de juiz, júri e executor, impondo a lei em uma gigantesca metrópole futurista que era por sua vez cercada por um meio ambiente desolado, a Terra Maldita, consequência de um confronto nuclear que muitos viam como inevitável naqueles tempos de Guerra Fria. Mas pouco mais foi estabelecido e quando os autores (tanto o criador do personagem John Wagner quanto o editor – e principal escritor da série nos seus primórdios – Pat Mills) se referiam ao passado era geralmente de forma vaga e inconsistente. Um quebra-cabeça em que muitas peças faltavam e as poucas que existiam não se encaixavam muito bem.

Trinta anos depois, John Wagner decidiu botar ordem na história do seu personagem e finalmente detalhar o passado de Dredd e seu mundo, juntando os elementos apresentados anteriormente para criar uma história consistente. Ao seu lado estava o outro criador da série, o desenhista Carlos Ezquerra, para quem o passar dos anos apenas refinou o talento e a disciplina de trabalho. Nesse ponto, pode se dizer que foi um mérito que esta história tenha levado 30 anos para ser contada, já que a dupla Wagner/Ezquerra de 2007 é bem mais talentosa do que era em 1977.

Outro fator importante diz respeito à situação política em 2007. Ao criar o “último presidente americano” Robert L. Booth em 1978 e responsabilizá-lo pela guerra atômica que devastou o mundo de Dredd, Pat Mills parecia apenas demonstrar o seu lado iconoclasta. O presidente americano na altura, Jimmy Carter, era (e é) um conhecido pacifista e os seus equivalentes soviéticos pareciam muito mais propensos a iniciar um conflito nuclear. Em 2007, porém, o então presidente americano George W. Bush era um modelo muito melhor para a mistura de corrupção, beligerância e incompetência que caracteriza Booth nesta história. Claramente Mills estava à frente do seu tempo…

Mas Origens não se limita apenas a contar o passado do personagem. Nela Wagner lança também as bases de boa parte das tramas futuras da série, cujas ramificações são visíveis nas histórias publicadas até hoje em dia no Reino Unido. Por isso ela foi escolhida para iniciar o que esperamos que seja uma duradoura história de publicação do Juiz Dredd no Brasil.

E é essa a história que a Mythos Editora tem a honra de apresentar ao público brasileiro. Esperamos que vocês gostem e não deixem de acompanhar a revista mensal do personagem, que estará em breve em uma banca perto de vocês. Boa leitura!

Outro caso – e mais recente – de falta de espaço foi na publicação Juiz Dredd Apresenta: A Lei de Canon (um review será publicado em breve). Nos planos iniciais a ideia era que uma paródia do Lanterna Verde estaria no fim da revista, mas infelizmente esta ideia não foi concretizada. Uma pena.

E aí? Se você não estava certo de que este material é excelente, foi convencido agora? Então compre Juiz Dredd – Origens no site da Mythos Editora clicando aqui!

Siga-nos no Twitter!

Curta nossa página no Facebook!

Curta a Juiz Dredd Megazine no Facebook!

Anúncios

5 pensamentos sobre “Juiz Dredd Origens – O texto de introdução

  1. Cara, é muito legal ver o resgate desse material. Parabéns!
    E essa introdução seria algo essencial para quem fosse comprar o encadernado e não estava “por dentro” das informações básicas sobre o personagem! Sério mesmo que eles não arranjaram espaço para essa intro num encadernado que custou 70 dilmas????
    Enfim, aguardando o review de Canon, mano!

    Curtido por 1 pessoa

Comente, punk!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s