[Review] Juiz Dredd Megazine 13

Seguindo o costume mensal e fixo do blog: finalmente a edição de Junho (sim, está atrasada, assim como todas as revistas mensais de todas as editoras) da Juiz Dredd Megazine está sendo distribuída para as bancas de todo o país! Comemorando o início do segundo ano de publicação, confira abaixo um review de todas as histórias desta edição! [SEM SPOILERS]

A capa deste mês (ou melhor, do mês passado) é uma arte de Andy Clarke. Muito legal, por sinal. Os textos são pequenos e sem chamadas exageradas. Como de costume, os artistas e autores mais famosos figuram no topo da capa, acima do título. Como já foi mencionado no review da edição passada, este mês não temos Nikolai Dante.

Uma capa bem padrão, estampando o homem que dá o nome à revista!

O editorial deste mês, escrito pelo Editor-chefe Helcio de Carvalho, comemora o início do segundo ano de publicação da JDM e também comenta de maneira introdutória todas as histórias seguintes, inclusive apresentando a nova série, Renegado (Rogue Trooper, no original).

Alguns comentários prévios: a revista possui duas matérias escritas pelo tradutor e editor-assistente Pedro Bouça. Uma sobre o Juiz Giant (você vai entender do que estou falando mais para a frente na postagem) e outra sobre Renegado. Ambos os textos estão excelentes, e esta é uma ótima edição para novos leitores, pois todos os arcos estão começando agora ou são histórias curtas! Infelizmente, nesta edição não temos o Tribunal dos Leitores. Enviem e-mails para juizdredd@mythoseditora.com.br!!

Finalmente, os reviews detalhados de cada história:

Juiz Dredd – ‘Prodígio’ e ‘O que aconteceu com… John “Giant” Clay?’
Roteiro(s): Gordon Rennie
Arte(s): Simon Davis e Rufus Dayglo
Publicadas na edição 216 da Judge Dredd Megazine (2004)
Duas histórias curtas, com começo, meio e fim dão início à esta revista que possui diversas artes em preto e branco. O roteiro do elogiadíssimo Gordon Rennie é simples e direto em ambas, e elas não possuem o Dredd como protagonista: são focadas no Juiz Giant, um personagem coadjuvante com uma história prévia muito interessante, que é comentada no primeiro texto escrito pelo Pedro (se você ficou curioso, compre para conferir!). A arte fenomenal de Simon Davis (que vem fazendo um trabalho incrível na atual fase do Sláine publicada lá fora) colabora para que o nível da primeira seja, no mínimo, excelente. A arte de Rufus Dayglo na segunda história (em preto e branco) também é ótima, e o roteiro desta é menos violento e mais tocante, quase sensível. Um pontinho negativo apenas para a falta de alguns rodapés, que poderiam situar melhor um leitor iniciante.
Notas: 9 e 9,5

Área Cinzenta – Esta ilha, a Terra (Parte 1)
Roteiro: Dan Abnett
Arte: Lee Carter
Publicada nas edições 1800 e 1801 da 2000 AD (2012)
Um novo arco de Área Cinzenta começa nesta edição, e a série está entrando na reta final da sua “primeira temporada“. Até o momento, o desenvolvimento dos arcos de AC sempre foi melhor que o final, e esta história também começou ótima. Resta saber se o encerramento estará no mesmo nível. Como sempre, o roteiro de Dan Abnett é intrigante, e a próxima edição promete. A arte de Lee Carter não me agrada muito, apesar dos cenários fantásticos, realísticos e cheios de detalhes. Começou bem.
Nota: 8


Renegado
Roteiro: Gerry Finley-Day
Arte: Dave Gibbons
Publicada na edição 228 da 2000 AD (1981)
Finalmente, o grande destaque desta edição! Após o hype gerado pelas notícias divulgadas em Abril, o resultado não poderia ser melhor. Renegado (vai ser difícil não escrever Rogue Trooper), dá início ao que promete ser uma das séries mais elogiadas da revista. A premissa do roteiro de Gerry Finley-Day (bem como seu desenvolvimento) é fantástica, e apresenta muito bem o protagonista e o ‘universo’ desta história. O protagonista e suas motivações são bem ‘oitentistas‘, e isto não é uma crítica negativa de forma alguma. A arte em preto e branco do então iniciante Dave Gibbons (que fez sucesso na 2000 AD e foi seduzido pelas editoras americanas) é ótima, e somada ao roteiro primoroso gera uma HQ de:
Nota: 10

Sláine – A Noiva de Crom (Parte 1 e Parte 2)
Roteiro: Pat Mills
Arte: Massimo Belardinelli
Publicada nas edições 337 e 338 da 2000 AD (1983)
O arco (que provavelmente será o mais longo publicado na revista até o momento) de Sláine que teve seu início no final da edição 11 da JDM volta nesta, com duas partes. Sláine é minha série favorita na revista até o momento (e digo isso pois Renegado começou de forma incrível, então nunca se sabe), e este arco é famoso ao ponto de ter sido mencionado em O Deus Guerreiro, publicado no Brasil pela Pandora entre 2000 e 2001. É bem capaz que, com esta história, os leitores passem a admirar mais o bárbaro celta, já que os roteiros de Pat Mills (que escreve as aventuras até hoje) somados à arte de Massimo Belardinelli beiram a perfeição.
Nota: 9,5

Distorções Temporais – Circuito
Roteiro: Alan Moore
Arte: Jesus Redondo
Publicada na edição 320 da 2000 AD (1983)
Um dos costumes da JDM é o de publicar Choques Futuristas ou Distorções Temporais, histórias curtas escritas por autores famosíssimos como Alan Moore, Neil Gaiman, e quem sabe no futuro até por Grant Morrison. ‘Circuito’ possui um roteiro muito maluco e interessante que envolve um dos meus temas favoritos: viagens no tempo. Quase todas as histórias escritas por Alan Moore publicadas até o momento são ótimas, e esta é mais uma delas. A arte do espanhol Jesus Redondo funciona para a fácil (ou nem tão fácil) compreensão da trama, apesar de parecer meio confusa em alguns quadros. A capacidade de resumo em poucas páginas dos ingleses é sempre digna de aplausos.
Nota: 9

Juiz Dredd – No stomm até o pescoço
Roteiro: Simon Spurrier
Arte: Boo Cook
Publicada na edição 236 da Judge Dredd Megazine (2005)
Encerrando a edição de Junho temos uma história curta e frenética escrita por Simon Spurrier. ‘Stomm’ é o termo utilizado para substituir a palavra ‘shit’ nas histórias do Juiz Dredd, ou seja, é um termo próprio da série, assim como ‘Drokk’. Quem acompanhou as edições passadas da JDM já conhece o artista Boo Cook e sua arte incrível. Esta história curta é um encontro das bizarrices divertidas de Mega-City Um com a violência, gerando algo prazeroso de se ler.
Nota: 9

Finalizando, alguns comentários extras: o preview da próxima edição (que deve sair ainda este mês) já foi disponibilizado no checklist da própria Mythos, bem como a capa que será utilizada, já com os textos. Confira no final desta postagem. A edição 13 dá início ao novo ciclo de revistas que foi encerrado na edição passada, já que os contratos são renovados de 6 em 6 edições. Ou seja, a JDM está garantida até pelo menos a edição 18.

contracapa da divulga o especial completo “A Lei de Canon“, escrito por Mark Millar e com arte de Chris Weston. Confira o review desta revista clicando aqui. O outro lançamento da Mythos divulgado nesta revista é Kirby Genesis, mas esta HQ não está relacionada à 2000 AD.

Nota final: 9,5/10


Preview de Julho:
Juiz Dredd Megazine #14
Formato Magazine 20,5 x 27,5 cm – 68 Páginas – R$ 10,90″

“O Juiz Dredd frente a frente com ninguém menos que… Jack, o Estripador! E ainda: um ancião quer a todo custo enterrar sua esposa, mas Dredd está em seu caminho. Leia também: aprisionado e prestes a ser sacrificado, Sláine encontra uma figura importante de seu passado. Área Cinzenta: Birdy e Bullie tentam desvendar um duplo homicídio sem criar um incidente diplomático. E mais: Choques Futuristas! E a volta de Nikolai Dante!

Ficou interessado em ler o Terror nos Esgotos? Compre esta edição no catálogo da Mythos Editora clicando aqui.

Siga-nos no Twitter!

Curta nossa página no Facebook!

Anúncios

20 pensamentos sobre “[Review] Juiz Dredd Megazine 13

  1. Pingback: Feliz aniversário, Renegado! | 2000 AD Brasil

  2. Pingback: [Review] Juiz Dredd Megazine 14 | 2000 AD Brasil

  3. Gostei bastante da revista, porém as histórias do Dredd foram as que eu menos gostei desta vez. Não que tenham sido ruins, mas talvez eu tbem esteja começando a sentir falta de um arco maior e mais relevante do juizão, como foi a do “Guerra Total”, por exemplo.

    Queria ler também histórias dele com o PJ Maybe, um de seus maiores vilões.

    De resto, outra excelente edição.

    abs

    Curtido por 1 pessoa

    • Denis, não gostou do Macaco no Sótão do Ennis? Foi o arco longo que a gente publicou nessa leva…

      De qualquer modo, a partir da 16 começamos outro arco longo que vai até o 18. Será escrito pelo Rennie (a maior história que ele escreveu na série!). Só não começamos antes porque no 15 vamos publicar material introdutório.

      Além disso, outro arco longo deste período vai sair no encadernado Mandroide. O especial Democracia também trará umas tramas longas antigas do Dredd. Há mais encadernados e especiais a caminho além desses, mas aí é mais para o final do ano e início de 2015.

      Curtido por 1 pessoa

      • Tour of Duty/Days of Chaos são ANOS depois. A grande saga seguinte a Guerra Total foi Origens, que a gente já publicou. E ainda há outras histórias mais ou menos longas para sair antes de começarmos a chegar nas imediações de Tour of Duty.

        Como parte desse material (Origens e Mandroide) foi para os encadernados, não deve levar tanto tempo, mas ainda vamos publicar umas histórias um pouco anteriores para situar os leitores em Mega-City antes de encarar esse material.

        Ainda assim, não espere nada antes do terceiro ano da revista.

        Curtido por 1 pessoa

  4. Uma das melhores revistas no nosso mercado, sem dúvida. Pra ser sincero a JDM e as revistas da Valiant Comics estão dando uma lição de qualidade nos quadrinhos mainstream de grandes editoras… Uma dúvida, Renegado já continua na próxima edição ou a publicação será intermitente?

    Curtido por 1 pessoa

  5. Sláine é bom demais velho, Renegado estreou metendo o pé na porta, e Área Cinzenta continua naquele climão estilo southland, série que gosto muito, essa revista esta demais man. Sabem informar se a Mythos pretende lançar mais especiais tipo a lei de cannon?

    Curtido por 1 pessoa

  6. Cara, concordo com tudo o que você escreveu. Gordon Rennie está se revelando um ótimo roteirista, espero que ele tenha essa qualidade toda quando Áquila voltar!
    Adorei o início do Tropeiro Renegado também! Uma pena que a revista tenha tão poucas páginas, assim teríamos mais histórias dele por edição… :S
    E o Sláine… putz, Pat Mills é meu ídolo, e Massimo Bernardinelli é um monstro nos desenhos, num mundo justo esse cara seria cultuado e teria ficado rico!

    Curtido por 1 pessoa

    • Eu não sou muito fã de Áquila, então… Gosto muito mais de Sláine xD

      Também queria mais páginas do ‘Tropeiro Renegado’! Achei incrível, tudo de bom. Pelo menos esse início.

      Sláine está sensacional desde o início! É minha série favorita no mix!

      Curtir

Comente, punk!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s