[Review] Juiz Dredd Megazine 15

Apesar de já estarmos quase em setembro, o review desta vez será sim da edição número 15 da JDM, de agosto! Desculpe o atraso! A revista do mês não atrasou, mas o atraso deste review foi por pura falta de tempo. Porém, ainda estou dentro do prazo já que o mês ainda não virou (por pouco)! Confira abaixo os pontos positivos e negativos desta edição. [SEM SPOILERS]

A capa da edição anterior era belíssima, isso é um fato. Porém, este mês fomos surpreendidos novamente já que o preview na revista 14 mostrava uma capa diferente da que saiu neste número. E isso é ótimo, pois a capa atual desenhada por Charlie Adlard é simplesmente fabulosa e sem chamadas exageradas. Os autores em destaque nesta edição são: Alan Moore, Dave Gibbons, Pat Mills e Alan Grant.

O grupo que seguirá Dredd na primeira história da revista é o destaque da capa.

O editorial deste mês, escrito pelo Editor-chefe Helcio de Carvalho comenta as duas histórias que se passam no inverno, de Juiz Dredd e Nikolai Dante. Além disso, temos neste editorial uma menção à Guerra do Apocalipse (você vai entender o motivo logo abaixo), e também comentários breves sobre as outras séries. Nenhuma novidade.

A edição 15 não possui matérias, como é costume em algumas edições, então nada de novo que deva ser comentado previamente. As datas e números originais de publicação na primeira página de cada história continuam (começaram na edição passada, seguindo o padrão dos comics publicados por aqui). Mais uma vez, o Tribunal dos Leitores está ausente, então escrevam para juizdredd@mythoseditora.com.br!!

Chega de enrolação, punk! Confira abaixo os reviews de cada história:

Clássicos do Juiz Dredd – Gulag
Roteiro: Gordon Rennie
Arte: Charlie Adlard
Publicadas nas edições 1382 a 1386 da 2000 AD (2004)
Finalmente algo que todos sentimos falta: uma história imensa do Juiz Dredd, que ocupa metade da revista com início, desenvolvimento e final (que deixa algumas questões abertas que serão abordadas nas próximas edições). É o início de uma longa saga que começará na próxima edição e que promete ser ótima. Neste prelúdio, Dredd prepara uma ousada operação de resgate nos confins da Sibéria, após um satélite ter detectado o que podem ser prisioneiros de guerra de Mega-City Um (prisioneiros da Guerra do Apocalipse, leia o restante do review para entender melhor). O roteiro de Gordon Rennie é incrivelmente competente, e nos apresenta uma das melhores histórias do Dredd publicadas até o momento, sem contar a arte fenomenal de Charlie Adlard (quem curte The Walking Dead vai gostar mais ainda). Os diálogos são inteligentes e recheados de humor ao melhor estilo do Dredd, e as cenas de ação são muito legais. A edição 13 “preparou terreno” para esta revista, pois apresentou muito bem o Juíz Giant, que está presente aqui. Ótima história, beirando a perfeição.
Nota: 9,5

Juiz Dredd – Guerra do Apocalipse
Roteiro: John Wagner & Alan Grant
Arte: Ron Smith
Publicada no jornal Daily Star em 18 de setembro de 1982.
Esta foi a saída que a Mythos Editora encontrou para resumir uma das sagas mais famosas (se não a mais famosa) do Juiz Dredd: uma tira, um resumo de duas páginas. Muitas pessoas podem achar uma atitude preguiçosa não publicar um encadernado com a saga completa, mas eu discordo. Apesar de já ter lido esta fabulosa saga e concordar que ela merece ser publicada no Brasil, enquanto este dia não chega esta tira preenche bem o espaço que ficará em aberto na cabeça de novos leitores, pois os principais fatos estão presentes. John Wagner e seu parceiro Alan Grant resumiram tudo muito bem, e a arte de Ron Smith sempre é espetacular. Publicar isto foi uma atitude válida, apesar de não achar que seja a melhor forma. Como fator de curiosidade, Ron Smith só deixou de desenhar a série regular do Juiz Dredd quando foi desenhar a tira dominical que saía no jornal. O cara realmente é fenomenal.
Nota: 7,5

Choques Futuristas de Tharg – As crenças bestiais de Benjamim Blint
Roteiro: Alan Moore
Arte: Eric Bradbury
Publicada na edição 249 da 2000 AD (1982)
Assim como na edição anterior, o Choque Futurista deste mês possui apenas duas páginas. É uma leitura divertida, com o humor estranho de Alan Moore e ilustrações competentes de Eric Bradbury, mas com toda certeza não é o ponto mais alto da revista. Mas se você pensar bem, este é objetivo destas histórias curtas: divertir e entreter rapidamente. Esperamos somente que saiam mais Choques Futuristas ou Distorções Temporais escritos por outros autores, pois a variedade é muito grande para se publicar apenas Alan Moore. Neil Gaiman já foi, mas outros como Grant Morrison também escreveram algumas coisas interessantes.
Nota: 8

Nikolai Dante – O Gulag Apocalíptico (Parte 3 e Parte 4)
Roteiro: Robbie Morrison
Arte: Henry Flint
Publicada nas edições 1081 e 1082 da 2000 AD (1997)
Finalizando o arco que começou na edição anterior após o recesso de um mês, Nikolai Dante! O gancho que o início do arco havia deixado para a continuação foi bem aproveitado, e alguns mistérios que ficaram em aberto foram resolvidos. Nikolai Dante é uma das séries que vem sendo mais admiradas pelos leitores da revista, e com todo mérito, pois realmente é ótima. Este arco acabou agora, provando mais uma vez que os roteiros de Robbie Morrison são ótimos e também mostrando que Henry Flint desenha muito bem, com uma arte melhor do que nas outras histórias que saíram e também eram desenhadas por ele. Mas, me desculpem, prefiro a arte de Simon Fraser!
Nota: 9

Renegado – Zona Vítrea
Roteiro: Gerry Finley-Day
Arte: Dave Gibbons
Publicada na edição 230 da 2000 AD (1981)
Ah, minha série favorita da revista! É oficial, Renegado (Rogue Trooper) entrou de vez no meu coração de leitor e fã. O Juiz Dredd ainda é meu personagem favorito, é óbvio, mas esta série tem sido muito legal de se ler, apesar das histórias serem bem curtas. Este mês temos mais revelações sobre o passado do nosso protagonista, mais precisamente sobre Gunnar, o amigo que foi implantado em sua arma. O roteiro de Gerry Finley-Day é perfeito para as cinco páginas de história, e a arte de Dave Gibbons, apesar de ser fabulosa, ficou um pouco confusa em alguns quadros e esta é a única ressalva. É bem provável que meus reviews sobre Renegado sejam um pouco repetitivos, pois até agora esta série tem me encantado muito.
Nota: 9,5

Sláine – A Noiva de Crom (Parte 5 e Parte 6)
Roteiro: Pat Mills
Arte: Massimo Belardinelli
Publicada nas edições 341 e 342 da 2000 AD (1983)
Finalizando a revista deste mês temos a outra série com desenhos fabulosos em P&B: Sláine, encerrando o arco mais longo desta série até o momento, que começou na edição 13 da JDM. A publicação deste arco (e da série no geral em ordem cronológica) com toda certeza serviu para fisgar de vez os leitores, com uma trama intrigante e divertida, desenhada fabulosamente por Massimo Berladinelli. Os roteiros de (um dos meus favoritos) Pat Mills sempre são ótimos, e esta criação dele não é exceção. O gancho do final deixa a empolgação para a leitura da próxima história batendo nas estrelas. Mais um ótimo encerramento de arco.
Nota: 9

Considerações finais e comentários extras: o preview completo da próxima edição (incluindo a capa já com os textos) ainda não foi disponibilizado pela Mythos, mas o resumo ao final da edição 15 é o seguinte: “O Juiz Dredd investiga a execução de um traidor de Mega-City durante a Guerra do Apocalipse. E mais: um misterioso inimigo quer usar Vienna para chegar até Dredd! Leia também: até quando o malandro Nikolai Dante vai ficar trombando com os Arbatovs? Evenenado, Sláine luta pela vida. E ainda: Choques Futuristas!” A arte da capa presente no preview é esta (também estava presente no preview da revista anterior mas foi alterada):

Arte de Dylan Teague, cores de Chris Blythe.

No interior da revista temos a propaganda de Kirby Genesis, encadernado lançado pela Mythos recentemente, e na contracapa a divulgação de O Último Fantasma, outro encadernado da Mythos. Ambos não são relacionados à 2000 AD. Para finalizar deve-se dizer que passaram despercebidos pela revisão alguns erros, como a troca de letras em um balão. Nada muito alarmante.

Nota final (arredondada): 9,0/10

Ficou interessado em ler Massacre na Neve? Compre esta edição no catálogo da Mythos Editora clicando aqui.

Siga-nos no Twitter!

Curta nossa página no Facebook!

Anúncios

17 pensamentos sobre “[Review] Juiz Dredd Megazine 15

  1. Pingback: [Review] Juiz Dredd Megazine 17 | 2000 AD Brasil

  2. Pingback: [Review] Juiz Dredd Megazine 16 | 2000 AD Brasil

  3. Pingback: [Review] Juiz Dredd Megazine Especial – Democracia | 2000 AD Brasil

  4. Pingback: [Review] Rogue Trooper | 2000 AD Brasil

  5. Pingback: Feliz aniversário, Renegado! | 2000 AD Brasil

  6. Falar bem todo mês desta revista já virou redundância. A cada edição que passa eu já sei que vai ser pelo menos muito boa. Já no aguardo da próxima edição e de próximo encadernado do Juiz (já está pra chegar né?).
    Vida longa à revista!!!

    Curtido por 1 pessoa

  7. Cara, pra começar, quero dizer que acho bem legal sua ideia de colocar as capas das revistas onde as histórias foram publicadas originalmente! Demonstra o capricho que você tem ao preparar os reviews! (y)
    Concordo com (quase) tudo o que você escreveu. A história do Dredd é sensacional (adoro as HQs curtas, mas também estava com falta de uma saga maior) e Gordon Rennie já é um dos meus roteiristas favoritos. Sláine (que não ousem tirá-lo da revista!) e o Tropeiro Renegado estão show de bola. Ah, a arte do Henry Flint é soberba! Tão boa quanto a do Simon Fraser! Por mim, eles podem dividir a arte de Dante até o final!
    MAS, definitivamente não curti o resumo de Apocalypse War. Achei preguiçoso mesmo, era melhor ter posto mais um Choque Futurista (porque não aproveitaram e colocaram uma HQ do Steve Moore?). Sinto que a Mythos tá enrolando muito pra publicar essa saga.

    Curtido por 1 pessoa

    • Obrigado pelos elogios! xD Eu gosto de colocar as capas originais, e geralmente tenho que escolher entre uma ou outra, mas fica engraçado em alguns momentos pois geralmente a capa é de outra série (que sai na JDM), mas que não é da série que estou escrevendo sobre em determinado tópico. HUAHUAHUHAU
      Olha, eu preferia que a Mythos tivesse publicado a saga, também. Queria MESMO um encadernado de luxo bem legal, com um preço agradável e tudo mais. Talvez minha aceitação deste resumo que publicaram seja porque eu já li a saga (não sei se você leu também), e achei uma tentativa válida, apesar de preguiçosa.

      Enfim, resta a esperança de que um dia a Mythos publique Apocalipse War. Sonhar…

      Curtir

  8. Concordo com o Allison, uma das melhores edições até agora. A capa foi uma grata surpresa, a história do Dredd, melhor ainda. Renegado fica melhor a cada número. Quanto ao Sláine, para mim a arte supera o roteiro, mas ainda assim é muito boa.

    Curtido por 1 pessoa

  9. Essa foi uma das melhores edições da “Dredd” sem dúvidas, começando por essa capa muito da hora do Adlard, do qual não sou muito fã. Mano, dessa vez eu até curti o final da saga do “Nikolai”, mais na minha opinião nada consegue bater as historias do “Sláine”, cara meu favorito dessa revista, e essa saga da noiva só veio confirmar isso, Pat Mills é demais velho, estou pensando seriamente em pegar as revistas do “Marshall Law” dele. Esperando ansiosamente pela próxima edição e essa saga longa do Juiz.

    Curtido por 2 pessoas

    • Eu deixei de comprar Mashall Law uma vez, e me arrependo profundamente! Mas pretendo comprar também, aquelas lançadas pela Abril né? Muita gente indica, parece ser ótimo.
      Sláine também está entre meus favoritos, mas eu gosto de tudo na revista, huahauha!
      E SIM! Finalmente uma saga longa do Juiz!

      Curtir

      • A edição da DC (não é da Top Shelf!) é muito boa, mas NÃO tem todas as histórias! O personagem teve três crossovers com outros personagens, Pinhead (de Hellraiser), Savage Dragon e O Máscara, que ficaram de fora por questões de direitos.

        Eu tenho esse material todo (comprei na época, sou fã do Marshal Law desde que li a mini da Abril!). O crossover com o Pinhead é excelente, mas pode ser pulado. O com o Savage Dragon é a pior história da série e deveria ser apagado da existência (também, que ideia foi essa de colocar o Mashal colaborando com um super-herói?!?). O d’O Máscara, porém, é quem fecha todas as pontas soltas da série e deveria ser obrigatório.

        Essas edições podem ser encontradas, com alguma dificuldade, em alguns sebos online americanos. São todas minis em duas partes. Nenhuma delas foi encadernada em lugar nenhum!

        Curtido por 1 pessoa

Comente, punk!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s