[Review] Juiz Dredd Megazine 16

Este mês o 2000 AD Brasil irá, provavelmente, publicar dois reviews da Juiz Dredd Megazine: as edições 16 e 17! Começando agora, um pouco atrasado, confira abaixo todas as impressões sobre a mais recente edição da  revista lançada para todo o Brasil! [SEM SPOILERS]

A Megazine 15 teve uma belíssima capa de Charlie Adlard, e na edição deste mês a arte fica por conta de Dylan Teague! Icônica por ser uma das poses mais famosas do personagem, esta arte já foi usada em livros sobre quadrinhos ingleses, e entra (como quase todas as outras) para o hall de capas mais legais! Os autores em destaque são: Alan Moore, Neil Gaiman, Dave Gibbons e Pat Mills.

Arte de Dylan Teague e cores de Chris Blythe!

O editorial deste mês, escrito pelo Editor-chefe Helcio de Carvalho, menciona o HQ Mix, premiação onde a Juiz Dredd Megazine concorreu como melhor Revista Mix, mas acabou perdendo para outra publicação. Uma pena. Finalizando, o espaço possui o de sempre: comentários breves sobre cada história, sobre os autores, e algumas explicações sobre a revista!

Desta vez a revista possui uma matéria de duas páginas sobre o controverso artista John Hicklenton, falecido em 2010. Escrita pelo tradutor e Editor-assistente incansável Pedro “Hunter” Bouça, esta matéria é um resumo sobre a vida e obra deste artista amado por uns e odiado por outros. O motivo desta matéria estar presente nesta edição você confere logo abaixo. Finalizando os comentários prévios, depois de um longo hiato, o Tribunal dos Leitores está de volta! Então não deixe de enviar um e-mail para juizdredd@mythoseditora.com.br!

E antes que o Dredd nos leve para um iso-cubo por enrolar muito, confira abaixo os reviews de cada história:

Juiz Dredd – Rastros de Sangue
Roteiro: Gordon Rennie
Arte: Andrew Currie
Publicada nas edições 1440 a 1443 da 2000 AD (2005)
Começando esta edição, temos o início de um arco longo (o mais longo escrito por Gordon Rennie em toda a história do Juiz) que irá se estender até a edição 18. Apesar de ser o início de um arco, esta história tem como base o prelúdio publicado na edição anterior, que havia deixado algumas questões em aberto. Aqui temos alguns centros, como a personagem Vienna, o Juiz Rico, e simpatizantes do grupo terrorista Guerra Total. Apesar de ser uma trama que envolve a Guerra do Apocalipse, este início nos dá uma visão do plano que está sendo orquestrado secretamente pelos vilões, e que até o momento, Dredd não faz ideia do que está acontecendo. A arte de Andrew Currie é estilizada e caricata, mas funciona bem para a história, apesar de que, neste caso, minha preferência seria por uma arte um pouco mais sombria.
Nota: 9

Sláine – A Morte Rastejante
Roteiro: Pat Mills
Arte: Massimo Belardinelli
Publicada na edição 343 da 2000 AD (1983)
Uma história curta (apenas 6 páginas), como de costume, de uma das séries mais fantásticas da revista! Seguindo os acontecimentos da edição anterior, que encerrou um arco de ação e deixou um ótimo gancho, aqui temos Sláine lutando para sobreviver, e seus companheiros Ukko e o Cego Bran lhe ajudando da melhor forma possível, enquanto são perseguidos pelos Guardas de Urien! Temos também um exemplo da demonstração do poder de Medb, filha de Urien, uma solução divertida para os problemas, e um final que entretém! Apesar de ter sido uma das histórias mais “bobinhas” do Sláine, Pat Mills e Massimo Belardinelli entregam, como sempre, uma ótima história curta!
Nota: 8,5

Nikolai Dante – O Problema dos Arbatovs
Roteiro: Robbie Morrison
Arte: Simon Fraser
Publicada na edição 1083 da 2000 AD (1998)
Outra história curta da revista, desta vez do sacana Nikolai Dante. Apenas 6 páginas que refletem os acontecimentos de um arco anterior, ilustradas magistralmente por Simon Fraser, e com um roteiro divertido que possui um excelente plot-twist no final, escrito por Robbie Morrison. Apesar de servir mais como um “tapa-buraco”, esta história mostra o Nikolai trambiqueiro de sempre, sendo abusado, ousado e safado, mas também um homem elegante e aventureiro. Uma história que não diz muita coisa, mas não perde o tom de entretenimento desta excelente série, querida por muitos leitores da Megazine! Provavelmente o futuro de Nikolai Dante no Brasil é muito promissor, visto que a apreciação tem sido constante pelos leitores, e a arte de todas as histórias tem se mostrado excelente, bem como o roteiro sempre é primoroso!
Nota: 8,5

Um conto robótico do Ro-Bocão – O Assasino da Jamanta
Roteiro: Alan Moore
Arte: John Richardson
Publicada na edição 170 da 2000 AD (1980)
Desta vez a história curta escrita por Alan Moore não é um Choque Futurista, mas sim um Conto Robótico do Ro-Bocão! Com apenas quatro páginas, ilustradas de forma competente por John Richardson, esta é, provavelmente, a história mais fraca da revista, apesar de ainda ser divertida e possuir um final inesperado! Caracterizados por mostrarem a relação do homem com a máquina, os Contos do Ro-Bocão já apareceram algumas vezes na JDM, sempre escritos por Alan Moore, e apesar deste ser bem legal, não é nem de longe tão bom quanto os anteriores. Um único comentário negativo sobre a arte é que em alguns quadros ela estava meio confusa, algo que tem acontecido em algumas histórias dos Choques Futuristas, Distorções Temporais ou Contos Robóticos.
Nota: 7,5

Renegado – Confronto no Vale do Juízo Final
Roteiro: Gerry Finley-Day
Arte: Dave Gibbons
Publicada na edição 231 da 2000 AD (1981)
E a minha atual série favorita da revista continua contando suas histórias curtas de maneira excepcional, ilustradas de uma belíssima forma pelo grande Dave Gibbons. Aqui, com apenas 4 páginas, Gerry Finley-Day coloca o protagonista, Rogue, lutando “sozinho” contra uma espécie de Tanque Nortista, utilizando seus companheiros Gunnar, Helm e Bagman como distração de maneira inteligente para que ele utilize suas técnicas de combate contra o inimigo. Uma história curtíssima (a mais curta da revista), de uma excelente série que merecia muito mais destaque no mix! A típica história de brucutu que tanto elogio, provando mais uma vez como a adaptação feita para o jogo de PS2 e PC é incrivelmente fiel em diversos aspectos. O leitor que jogou aquele game provavelmente reconhecerá algumas mecânicas de combate nesta história!
Nota: 9

Choques Futuristas de Tharg – Você nunca está só com um telefone! 
Roteiro: Neil Gaiman
Arte: John Hicklenton
Publicada na edição 488 da 2000 AD (1986)
Após uma matéria completa sobre o controverso artista John Hicklenton, temos um Choque Futurista escrito pelo queridíssimo Neil Gaiman! Aliás, esta é a primeira história que Gaiman escreveu para a 2000 AD, e a última história a ser publicada na Megazine brasileira. Ou seja, daqui para frente, nada de Neil Gaiman nas próximas edições, o que é uma pena. Aqui, Gaiman tenta prever um futuro horrível com relação aos telefones, mas com toda certeza o destaque da história fica por conta da arte grotesca de Hicklenton, que também estava começando sua carreira no mundo dos quadrinhos. Devo dizer que este é o melhor Choque escrito pelo celebrado roteirista, encerrando muito bem sua participação na JDM!
Nota: 8,5

Juiz Dredd – Crimes de Guerra
Roteiro: Gordon Rennie
Arte: Lee Sullivan
Publicada na edição 201 da Judge Dredd Megazine (2003)
Fechando com chave de ouro, temos aqui a melhor história desta edição, escrita mais uma vez por Gordon Rennie! O Juiz Dredd investiga um caso que ocorreu durante a Guerra do Apocalipse, vasculhando todos os cantos de Mega-City Um à procura de pistas que possam provar a verdade sobre um julgamento falho. A arte de Lee Sullivan é excelente e se encaixa bem ao tom da história, e o roteiro é cheio de reviravoltas. O Dredd, como sempre, é mostrado de forma bem implacável mas muito afetivo quando o assunto é “algo de errado no sistema judiciário” da cidade, agindo como o excelente Juiz Sênior que é, sempre seguindo sua própria linha de pensamento, que quase sempre o leva a tomar as decisões corretas. No mais, uma excelente história fechada, escrita por este excelente roteirista que é o G.R!
Nota: 9,5

Finalizando rapidamente com alguns comentários: o preview completo da próxima edição já foi disponibilizado no checklist da Mythos Editora: “Uma terrível vingança ameaça Dredd quando um agente sov aproxima-se cada vez mais de sua sobrinha, Vienna! Leia também: Enquanto Sláine recupera-se de sua infecção, o Estranho Lorde Esfolado Feg revela seus planos à fiel Medb! Renegado: o soldado lembra a morte de seus colegas enquanto tenta sobreviver a uma nova e mortal arma nortista. E mais: Nikolai Dante segue rumo à Bretanha para tentar proteger um aliado dos Romanovs da própria insanidade! E ainda: Choques Futuristas!

A belíssima arte de capa da próxima edição é de Greg Staples! 

No interior da revista temos a divulgação de Tolkien pelos lendários Irmãos Hildebrandt, e na contracapa, a propaganda do novo encadernado do Juiz Dredd: Mandroide, com uma piada mencionando o Robocop, com a frase: Metade homem, metade máquina, inteiramente letal. Em breve nas livrarias, comic shops e bancas especializadas. Por fim, alguns erros de revisão passaram despercebidos, mas nada muito grave!

Nota final arredondada: 8,5/10

Ficou interessado em ler Rastros de Sangue? Compre esta edição no catálogo da Mythos Editora clicando aqui.

Siga-nos no Twitter!

Curta nossa página no Facebook!

Anúncios

9 pensamentos sobre “[Review] Juiz Dredd Megazine 16

  1. Pingback: [Review] Juiz Dredd Megazine 17 | 2000 AD Brasil

  2. Esse Gordon Rennie é muito bom roteirista. Na primeira história ele transita entre a perseguição que o Dredd faz e o plano com Vienna muito bem. Quanto ao Sláine, gosto mais da expectativa pelo que já ouvi falar do que dos roteiros atuais. Quando chega por exemplo a saga The Horned God? Demora muito ainda?

    Curtido por 1 pessoa

  3. Preciso dar uma relida na revista, pois da primeira vez li meio corrido e não fixei algumas coisas. Mas pela primeira impressão é que as histórias do Dredd foram as melhores mesmo. E tbem concordo com a nota, edição talvez um pouquinho abaixo das anteriores, mas a revista continua mantendo um ótimo nível no geral.

    Eu quero saber mesmo é do encadernado do Mandroide! será que o bicho emperrou lá no Porto de Santos ou o quê?rs…

    Curtido por 1 pessoa

    • Sim, achei pouca coisa inferior às anteriores. Pouquinha mesmo. Mas ainda é a revista excelente de sempre.

      Sobre o Mandroide, achei engraçado, pois nem na Brasil Comic Con ele estava disponível (no estande da Mythos). A data prevista de lançamento era para Novembro mesmo, mas até agora não saiu da pré-venda. Complicado…
      Sem falar que logo o mês acaba e a edição 17 ainda não saiu. hehehe

      Curtir

  4. Sem dúvidas dessa vez o Dredd teve as melhores historias da revista, principalmente a “crimes de guerra”. Slaine mandando muito bem como sempre, também curti a estreia de Gaiman na 2000AD. Porém devo admitir não ter gostado nem da do Moore, nem da edição do renegado.

    Curtido por 1 pessoa

    • Sim, mais uma vez o Dredd foi o destaque!
      Acho que daqui para frente será assim! E sobre as histórias, também gostei muito da do Gaiman, e gostei do Renegado também. A história do Moore, como eu comentei, é realmente a mais bobinha…

      Curtir

Comente, punk!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s