[Review] Juiz Dredd – Mandroide

Após alguns meses de espera, finalmente foi lançado o segundo encadernado do Juiz Dredd pela Mythos Editora, chamado Mandroide! Confira abaixo todas as impressões sobre esta bela obra do Bom Juiz! [SEM SPOILERS]

Capa dura, 160 páginas. Estas são as especificações básicas do segundo encadernado do Juiz Dredd lançado pela Mythos Editora, com o selo Mythos Books. Englobando o arco publicado inicialmente em 2005, e sua continuação de 2007, Mandroide conta a história do sargento Nate Slaughterhouse, que após dedicar sua vida combatendo alienígenas na Força Espacial, foi gravemente ferido em combate e então transformado em um ser híbrido de homemmáquina: um Mandroide. Dispensado do exército, Nate volta a Mega-City Um, lutando para adaptar-se à sua nova existência e todas as dificuldades da cidade. Quando sua família é vítima de um cruel ataque, sua amargura torna-se raiva e ele toma as ruas para fazer justiça com as próprias mãos, quebrando a lei. E Dredd está no caso!

Capa do encadernado. Arte de Kev Walker

Dividido em duas partes, Mandroide constitui um arco intrigante, com uma trama que une características que lembram o RoboCop e o Justiceiro, personagem da Marvel. A primeira parte possui roteiro de John Wagner e arte de Kev Walker. Foi publicada da edição 1453 à 1464 da 2000 AD, em 2005. Inicialmente com o Juiz Dredd aparecendo pouco, esta primeira parte é muito focada no próprio Slaughterhouse, e no desenvolvimento do personagem (que é muito bom, diga-se de passagem), tudo numa espécie de investigação policial sensacional.

Ilustrando muito bem todo o sofrimento que ele passa, a história caminha numa crescente que afeta tudo ao seu redor. Apesar da trama clichê de “busca por vingança”, você consegue se importar com os personagens, e no mínimo entender as atitudes do sargento Nate. Por mais erradas que tais atitudes sejam, você se questiona se não agiria da mesma maneira diante de tal situação e tamanha pressão em sua vida. Com um final digno de um filme ação, esta primeira parte (ilustrada de forma belíssima por Kev Walker, que já conhecemos graças ao encadernado Origens) possui um roteiro fechado que funcionaria bem se publicado em qualquer época das histórias do Dredd. Mas como uma cereja no bolo, temos a segunda parte, situada dois anos após os eventos finais do capítulo anterior.

Capas das edições 1453, 1458 e 1463 da 2000 AD. Artes de Kev Walker e Mark Harrison

Mandroide: Instrumento de Guerra é a segunda parte, e foi publicada em 2007, durante as edições 1555 e 1566 da 2000 AD. Com roteiro de John Wagner e arte de Simon Coleby com Carl Critchlow, o foco agora é outro: o retorno de personagens que apareceram na primeira parte, e também a apresentação de novos personagens como antagonistas. Aqui, temos atitudes muito mais terroristas por parte de um certo núcleo, além de possuir muito mais ação e investigação.

Encerrando de vez o arco do Mandroide Nate Slaughterhouse, o roteiro de John Wagner deixa a passagem de tempo muito explícita, falando da forma mais positiva possível. O caso é tratado de outra forma pelos Juízes, e a arte de Simon Coleby & Carl Critchlow se encaixa perfeitamente para as mudanças no visual dos personagens. Com um encerramento muito digno, Mandroide é, no mínimo, um ótimo arco do Juiz Dredd, que funciona muito bem para qualquer tipo de leitor, sendo conhecedor do universo do Dredd ou não. E se você conhece e acompanha as atuais publicações do personagem pela Mythos, que mostra como o Juiz tem agido em certos casos, apreciará ainda mais a leitura. Qualquer comentário além disso pode prejudicar sua experiência, se tornando algum spoiler. Então a recomendação é: compre agora mesmo e saboreie esta excelente história!

Capas das edições 1557, 1561 e 1564 da 2000 AD. Artes de Rufus Dayglo e Peter Doherty

Finalizando, alguns comentários sobre o acabamento do encadernado: capa dura excelente, e papel de ótima qualidade, seguindo o padrão do encadernado Origens. Os extras possuem as capas acima, e também o roteiro original de Wagner. Não notei erros de revisão, o que tornou a experiência de leitura muito mais agradável e fluida.

O principal empecilho é, mais uma vez, o preço. Apenas R$5,00 mais barato que o Origens, Mandroide possui menos páginas, e custa R$64,90. Um preço deveras salgado para quem não possui muita verba para os gastos com quadrinhos. PORÉM, você pode encontrar algumas promoções nas livrarias, como por exemplo na Saraiva, onde (atualmente) o encadernado está com 50% de desconto! E não esqueça de acompanhar o site da Mythos Editora para eventuais descontos!

Nota: 8,5/10

Siga-nos no Twitter!

Curta nossa página no Facebook!

Anúncios

3 pensamentos sobre “[Review] Juiz Dredd – Mandroide

  1. Pingback: [Review] Juiz Dredd Megazine 18 | 2000 AD Brasil

  2. Pingback: [Review] Juiz Dredd Megazine 17 | 2000 AD Brasil

Comente, punk!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s