[Review] Juiz Dredd Megazine 19

Antes de começar este review, devo dizer: desculpe a demora! A revista resenhada abaixo saiu faz algum tempo, e esta resenha está um pouco atrasada. Porém, em breve sai o review da edição 20 e do encadernado Ano Um para compensar o atraso, e ambos já estão nas bancas! Mas chega de desculpas, confira abaixo todas as impressões passadas pela Megazine 19! [SEM SPOILERS]

Três! Uma sequência de três revistas com capas do artista Greg Staples (se você nunca ouviu falar, sugiro que leia esta postagem), que promete aparecer ainda mais no futuro! Sem contar o Juiz Dredd – Ano Um, que também possui uma capa fenomenal ilustrada por Staples (e até mês que vem, o encadernado será resenhado aqui). E a desta edição é o ápice, por ser uma espécie de capa dupla. Ou seja, a capa e a contracapa formam um painel. Irado, né? Os nomes em destaque são: Alan Moore, Carlos Ezquerra, Gordon Rennie e Simon Fraser.

Fantástica arte de Greg Staples, e uma chamada bem simples! 

O Editorial, feito pelo conhecido Editor-chefe Helcio de Carvalho, dá início a mais um ciclo de revistas. Ou seja, pelo menos mais seis edições da Megazine você poderá comprar! Além disto, Helcio fala um pouco sobre cada série desta edição em específico, e joga uma semente no ar ao mencionar que algumas novidades serão anunciadas este ano. Outro recado que deve ser dado: infelizmente, Sláine e Renegado foram cortados da revista, por baixa popularidade, o que é uma pena. Por fim, um Feliz Ano Novo meio atrasado!

No meio da revista, temos uma matéria especial do Editor-assistente e Tradutor Pedro Bouça, falando um pouco sobre a personagem Juíza Chefe McGruder, uma mulher que possui uma barba de respeito. Com isso, não temos o Tribunal dos Leitores, então envie um e-mail para juizdredd@mythoseditora.com.br contando suas impressões sobre a revista! E antes de dar início ao review propriamente dito, vale citar um pequeno erro: esta edição não tem Alan Moore! O Choque Futurista é, na realidade, escrito por Peter Milligan.

Chega de enrolação! Abaixo, confira as impressões passadas por cada uma das séries: 

Juiz Dredd – Questões de vida e morte
Roteiro: Gordon Rennie
Arte: Carlos Ezquerra
Publicado na edição 1452 da 2000 AD (2005)
A edição 19 da Megazine está recheada de histórias curtas do Bom Juiz! E esta, com roteiro fechadinho de Gordon Rennie (que vem aparecendo cada vez mais na revista), narra uma história do Juiz Giant (já apresentado anteriormente), e também lida com um certo drama envolvendo Vienna, a sobrinha de Joe. Um dos destaques desta história é nada mais nada menos que a arte de Carlos Ezquerra, criador do personagem. Uma arte belíssima, que será elogiada eternamente por aqui.
Contendo apenas seis páginas, esta história abre muito bem este novo ciclo de Megazines, pois você não precisa ter lido quase nada para entender a narrativa.
Nota: 8,5/10

Juiz Dredd – Acabado
Roteiro: Gordon Rennie
Arte: Carl Critchlow
Publicado na edição 1461 da 2000 AD (2005)
Na minha opinião, a melhor história da revista. Mais uma vez, roteiro fechadinho de Gordon Rennie, desenvolvendo em apenas onze páginas um drama envolvendo o Juiz Giant e o Juiz Guthrie, ferido em combate na última parte de Rastros de Sangue, arco finalizado na edição 18, e impossibilitado de continuar sua carreira nas ruas.
A história desenvolve muito bem a relação entre Giant e Guthrie, uma relação de trabalho colaborativo para resolver um caso, e passa uma mensagem muito positiva sobre sonhos destruídos e vidas acabadas. A arte de Critchlow é fenomenal, e o final desta história fecha com chave de ouro esta ponta do arco anterior.
Nota: 9,5/10

Choques Futuristas de Tharg – Mau Momento
Roteiro: Peter Milligan
Arte: José Casanovas
Publicado na edição 291 da 2000 AD (1982)
Seguindo o padrão de sempre dos Choques Futuristas, esta história de apenas quatro páginas é uma sátira à um grande personagem dos quadrinhos, mais precisamente da DC Comics. Além de criticar a própria humanidade, Peter Milligan entrega uma história divertidíssima para qualquer leitor de quadrinhos que conheça o ícone representado. E convenhamos, todos conhecem.
A arte de José Casanovas é ótima, e casa muito bem com a narração. No final das contas, se a ideia da Mythos era publicar um Choque de Alan Moore no lugar deste, que bom que ela errou, pois a diversão é garantida nestas páginas, e a leitura é muito fluida.
Nota: 8,5/10

Nikolai Dante – O Grande Jogo (Partes 1 à 4)
Roteiro: Robbie Morrison
Arte: Simon Fraser
Publicado nas edições 1101 à 1104 da 2000 AD (1998)
Finalmente temos o início do maior arco de Nikolai Dante publicado até o momento. Com o roteiro costumeiro de Robbie Morrison, temos o desenvolvimento de uma trama mais complexa, que aborda inclusive algumas partes do passado de Dante. E claro que esta parte envolve uma mulher.
A arte de Simon Fraser dispensa elogios. O julgo como um dos melhores artistas que já vi. E se você não simpatiza muito com as histórias do Dante (neste caso você é minoria, acredite), esta é a chance perfeita de você abrir seu coração para o safado trambiqueiro. E como é citado no Editorial da revista: Nikolai Dante não deve em nada às outras séries da revista no quesito qualidade. Apesar de minha preferência ainda ser Juiz Dredd e Área Cinzenta.
Nota: 9/10

Área Cinzenta – Essa bagagem também é sua?
Roteiro: Dan Abnett
Arte: Patrick Goddard
Publicado na edição 1863 da 2000 AD (2014)
Meu atual segundo xodó (já que Renegado foi retirado do mix): Área Cinzenta, que voltou para sua segunda temporada chutando bundas na edição anterior. Além da temática me encantar muito, esta temporada promete ser muito superior à primeira, que sofreu uma queda muito brusca de qualidade.
Nesta história curta, temos o roteiro de sempre: os agentes da ETC recebem um chamado sobre alguns passageiros que estão parados e carregavam maletas estranhas, que se revelam como algo muito mais dramático. O roteiro de Dan Abnett é ótimo, e a arte de Patrick Goddard também não deixa nada a desejar. E além de contar uma história curta, a parte dramática também é desenvolvida (levando em conta os acontecimentos do final da primeira temporada da série).
Nota: 9/10

Juiz Dredd – Virando a Casaca
Roteiro: Gordon Rennie
Arte: Henry Flint
Publicado na edição 1466 da 2000 AD (2005)
Dá-lhe Gordon Rennie! Outra história que fecha algumas pontas do arco anterior, desta vez na parte dos Sovs, e Dredd é o protagonista. Apesar de possuir uma boa dose humorística, esta história de apenas seis páginas é muito importante por mostrar que agora o Departamento de Justiça possui uma importante fonte de informações nas suas instalações… Mas Dredd não gosta muito da ideia.
A arte de Henry Flint também dispensa elogios (como toda a galeria de artistas que figuram na Megazine). O roteiro é bem enxugado e cumpre sua proposta, deixando a revista livre para abordar novos arcos e histórias.
Nota: 8/10

E para encerrar de vez este review, os comentários costumeiros. As propagandas da revista são sobre Juiz Dredd – Ano Um, o encadernado que já se encontra nas bancas (e vem com um chaveiro irado), e também sobre Hellboy – Tormenta e Fúria, da Dark Horse (que recomendo fortemente). Como a edição 20 já se encontra nas bancas, o preview está disponível logo abaixo, mas antes deve-se dizer que houve um reajuste de preço: agora a revista custa R$12,90. Algo normal, depois de mais de 20 revistas publicadas, e também os encadernados e especiais.

Preview da edição 20: “Três histórias inéditas do Juiz Dredd! Leia também: que trabalhar como oficial da ExoTransferência Controlada, na Área Cinzenta, é um trabalho sujo, o capitão Bulliet já sabia. Mas ele não esperava ter que ir tão… fundo para cumprir sua função. E ainda: Nikolai Dante metido até o pescoço num jogo de espionagem que pode mudar o equilíbrio de forças entre os Romanovs e o Czar. E mais: Contos do Ro-Bocão!”

Uma belíssima arte de Mark Harrison estampa a capa da Megazine 20! 

Nota final arredondada: 9,0/10

Ficou interessado em ler O Inimigo Está Entre Nós? Compre esta edição no catálogo da Mythos Editora clicando aqui.

Siga-nos no Twitter!

Curta nossa página no Facebook!

Anúncios

7 pensamentos sobre “[Review] Juiz Dredd Megazine 19

  1. Pingback: [Review] Juiz Dredd Megazine 20 | 2000 AD Brasil

  2. Essa edição está bem legal. A histórias com o Giant e o Guthrie são excelentes (são uma ótima dupla). E veja só, pela primeira vez vemos A Fossa no Brasil! Aguardando o encadernado com essa saga…

    Sláine e Renegado foram embora, dreus amaldiçoe os leitores mimimi!

    Mas pelo menos Dante não corre mais perigo. E essa saga tem muita qualidade, está entre as melhores já publicadas na revista até o momento (contando TODOS os personagens, inclusive Dredd!)

    Curtido por 1 pessoa

  3. Uma coisa, na verdade a edição TEM uma HQ do Moore. Por alguma confusão inexplicável, essa história “Mau momento” saiu com os créditos da do mês anterior! O argumento é de Alan Moore e a arte de Mike White.

    Curiosamente o Milligan tem uma HQ com o mesmo título dessa em inglês (Bad Timing). São os únicos dois Choques Futuristas que têm o mesmo título!

    Curtido por 2 pessoas

Comente, punk!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s